quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

Papa afirma que Igreja Católica está dividida e desfigurada



Papa afirma que Igreja Católica está dividida e desfigurada





Sob aplausos, pontífice denunciou ‘hipocrisia religiosa’ e as ‘aparências’ na igreja


O Papa Bento XVI afirmou nesta quarta-feira (13), durante a homilia da Missa de Quarta de Cinzas, que a Igreja “está desfigurada” pela “divisões em seu corpo eclesiástico”.


O pontífice realizou a Missa de Cinzas sob grande expectativa, dois dias após o anúncio de que renunciará ao pontificadono próximo dia 28 de fevereiro.


O Papa entrou na catedral com uma casula violeta, sobre um carrinho com rodas e com semblante cansado.


Uma multidão deu uma estrondosa ovação de pé ao Papa antes da missa. “Obrigado a vocês. Agora, vamos voltar às orações”, disse o Papa, acabando com vários minutos de aplauso.


Num gesto raro, os bispos tiraram as mitras em sinal de respeito e alguns deles choraram. “A qualidade e a verdade da relação com Deus é o que certifica a autenticidade de todos os sinais religiosos”, disse o pontífice no sermão.


Depois, ele denunciou a “hipocrisia religiosa, o comportamento dos que querem aparentar, as atitudes que buscam os aplausos e a aprovação”.


‘Pelo bem da Igreja’





Bispos católicos tiraram as mitras em sinal de respeito ao papa, o que é considerado um gesto raro


Mais cedo, em sua primeira fala em público desde que anunciou sua renúncia, ele disse que tomou a decisão de abandonar o pontificado “em plena liberdade, pelo bem da Igreja”.


Bento XVI disse que “orou arduamente e examinou sua consciência” antes de tomar a decisão.


O pontífice alemão, de 85 anos, reiterou que está consciente da gravidade da decisão, mas também que está consciente da diminuição de suas forças espirituais e físicas. Ele disse ter certeza que a Igreja iria sustentá-lo com orações e que Cristo continuará sendo seu guia.


Na audiência, o Pontífice recebeu no Vaticano mais de 3.500 fiéis e peregrinos para a sua catequese e fez a saudação em várias línguas, entre as quais o português, falando sobre o período da Quaresma. Ele agradeceu à presença de fiéis, citando literalmente as cidades de Curitiba e Porto Alegre.


Na véspera, o porta-voz do Vaticano, Federico Lombardi, disse que o Papa Bento XVI está usando um marcapasso cardíaco “há algum tempo”, mas que seu estado de saúde é bom e que ele estava “lúcido e sereno” quando tomou a histórica decisão de encerrar precocemente seu pontificado.


Saúde do papa


O padre Lombardi disse que as baterias do marcapasso foram trocadas há três meses, em uma intervenção pequena, mas que isso não influiu na decisão da renúncia papal.


“Isso não influiu na decisão, as razões estavam na sua percepção de que sua força tinha diminuído com a idade avançada”, disse.


A informação sobre o marcapasso papal, que não era de conhecimento público, havia sido adiantada pelo jornal italiano Il Sole 24 Ore, que afirmou que o papa usava o artefato havia dez anos.


Lombardi também confirmou informação dada na véspera, de que Bento XVI vai manter a agenda de trabalho até dia 28, quando renunciará. Isso inclui uma audiência com o presidente da Guatemala, Otto Pérez Molina, no próximo sábado (16).


A última audiência pública do papa, no dia 27, será na Praça de São Pedro, no Vaticano, para permitir que os fiéis possam assisti-la e se despedir do Papa.


O porta-voz também reafirmou que Bento XVI não vai interferir na escolha de seu sucessor, deixando os cardeais livres para decidirem. Federico disse que, após a renúncia, Bento XVI não terá nenhum papel na chefia da Igreja Católica.


‘Vatileaks’


Um dos responsáveis pelas denúncias que deflagraram o escândalo conhecido como ‘Vatileaks’– o vazamento de documentos secretos da Santa Sé, o jornalista italiano Gianluigi Nuzzi, de 43 anos, disse que a renúncia de Bento XVI foi causada pela perda de poder do papa para reformar a cúpula da igreja.


Em entrevista à Folha, ele afirmou que a elite administrativa do Vaticano está rachada por intrigas e suspeitas de corrupção.


Nuzzi é autor de Sua Santità (“Sua Santidade”, em português), livro que aponta um crescente antagonismo entre o papa e o número dois do Vaticano, o secretário de Estado Tarcisio Bertone.


Os documentos que abasteceram o livro de Nuzzi e a imprensa italiana provocaram a prisão e a condenação de Paolo Gabriele, o mordomo do papa que foi acusado de ser o autor do vazamento. Gabriele recebeu indulto do pontífice.


O escândalo jogou sobre o cardeal Bertone a suspeita de ter promovido uma campanha para afastar o arcebispo Carlo Maria Viganò, responsável pelas licitações do Vaticano, que havia denunciado casos de corrupção.


Deixe o seu comentário


Fonte: G1 e Folha